quarta-feira, 15 de julho de 2009

Teriamos um mundo melhor...

Quanto mais nos apegamos aos bens materiais, mais nos distanciamos da nossa verdade interior. Precisamos despertar para aceitarmos e entendermos que somos “frágeis” humanos.
Os sentimentos que são a essência de nossa vida, não devem ser compartilhados como posse de alguém.
Ninguém é dono da verdade.
Não existe posse no amor... nem propriedade na alegria... muito menos existe registo da felicidade...
O dinheiro não consegue comprar... os melhores sentimentos de uma vida…
Quanto vale o sorriso de uma criança?...
Qual o preço de um carinho?...
Quanto custa a felicidade?...
A verdade é sentida e dificilmente explicada.
A verdade é dificilmente entendida se a analisarmos exclusivamente pela nossa verdade de princípios, os quais são, invariavelmente, “materiais”.
Qual a cor da felicidade?...
Qual a forma da saudade?...
Já tocou na alegria?...
Sim é verdade que o que mais tem valor não se toca, sente-se...
Não precisamos muito para sermos felizes.
Se a humanidade aplicasse um dos princípios que todos nós defendemos: “Não faça aos outros o que não queres para ti...” já teríamos um mundo melhor...

9 comentários:

Bela disse...

Eu assino por baixo, o que está errado neste mundo é o valor humano.

Um beijo

Lena disse...

Precisamos de muito pouco para sermos felizes, é totalmente verdade.
A vida é muito curta e preciosa; e o que uma pessoa leva dela são esses "sentires", esses momentos de felicidade.

Belo post...

um beijo

Desnuda disse...

Um belissimo texto que exalta os verdadeiros valores da vida e do bem viver. Parabéns!


Obrigada pela visita e que seja a primeira de muitas!


Beijos!

Ofarol disse...

Bela

A individualização, desumanizou o ser humano e assim se perderam os valores principais...

Um beijo

Ofarol disse...

Lena

Os momentos de felicidade que devemos estender também aos outros... Temos de deixar de sermos "só nós"

Um beijo

Ofarol disse...

Desnuda

Obrigado por me visitar aqui no meu "cantinho"...
Os valores da vida são para serem vividos...

Um beijo

Multiolhares disse...

Penso que a felicidade não é nada grandioso, é feita de pequenos instante,que por serem tão fugazes não lhes damos o verdadeiro valor e passamos o tempo a procurar utopias,
Como tão bem dizes, não é no material, não é no exterior que conseguimos o importante na nossa vida, mas sim na procura interior, pois quando aprendemos a nos conhecer, quando descobrimos por que razão agimos de determinada forma, estamos prontos para limar arestas, e assim modificarmos as atitudes para com nos rodeia, isso é uma forma de amor, e só por amor e pelo perdão podemos ambicionar ser pessoas melhores, isso nos ensinou Jesus o Cristo.

Gostei em especial deste poste, talvez por me identificar com ele
beijinhos

poetaeusou . . . disse...

*
sábias palavras,
companheiro,
,
um abraço,
,
*

CarlaSofia disse...

Olá Farol, vim espreitar o seu espaço pela primeira vez... Gosto desta reflexão. Quantas vezes me questionei sobre tudo isto.
Atrevo-me a comentar...
Ninguém é de ninguém e ninguém é dono da verdade. Cada ser sente a vida e a realidade de forma distinta. Existe uma multiplicidade de sentidos por isso mesmo, por exemplo, numa relação, cada um verá a mesma situação sob um ponto de vista diferente.
Agora vou tentar responder às questões... :)
Qual a cor da felicidade? Da cor do Sol...
Qual a forma da saudade? Talvez espiral, espiral de emoções...
Já tocou na alegria? Toquei com o coração..
Mas sim, o sentimento não vê nem se toca, o sentimento sente-se nascido do fundo do nosso ser e toma proporções muito diferentes conforme as circunstâncias.
deixo um sorriso
levo um pouco a luz do seu farol para os meus ~universosquestionáveis*
CarlaSofia